16 de março de 2010

O fim de uma Era...


Pois é, decidi acabar com a doce novela "A Amamentação". Foram sete meses cheios de emoção e proximidade mas sinceramente estou cansada, ela já está grandinha e acho que tem necessidades que eu já não lhe consigo providenciar.
Neste momento estou HIPER-constipada, e por causa da amamentação a pequena Leonor não pode ter a sua mãe a 100% porque ela não pode tomar uma bombástica aspirina que lhe tire a má disposição, a sensibilidade à luz, o nariz inflamado e outras coisas mais. A pequena Leonor precisa da mãe impecável e por isso vamos dar por terminada esta sessão.

Durante estes meses vim reflectindo sobre esta questão e no início eu achava, inocentemente, que os bebés que mamam ao peito ficam protegidos como se tivessem numa bolha. Isso não é de todo verdade. Se houver um descuido eles ficam doentes sim senhor. Eu estou doente porque ela e o pai estavam doentes e isso é um facto e não é a primeira vez que acontece (e a creche não foi a única responsável pois já tivemos outro episódio há muito tempo). A mim também me parece que há uma certa pressão da sociedade  para que as mães amamentem a todo o custo, pregando-lhes o sermão de "que é um seguro de saúde e a proximidade mãe-filho e lá lá lá", não nego, mas isso não é totalmente verdade. Se as crianças têm tendência para serem saudáveis são-no, se têm tendência para terem mau feitio também o terão, não há cá que culpabilizar a mãe pelas suas opções.
Se algum dia voltar a ter um bebé vou fazer tudo igual, vou amamentar, mas sem as pressões que pus em cima de mim até agora. É sobretudo o nosso momento que acaba, é aquilo que nem o pai, nem os avós, nem os amigos podem fazer pela mãe, mas vamos ganhar outras coisas, tenho a certeza.
Nova vida!


imagem do filme The Bubble Boy

15 comentários:

Marina disse...

As pressões que nos pôem em cima por causa da amamentação são completamente terroristas!
O meu só mamou dois meses e até agora teve umas leves constipações, aliás, este inverno nem se constipou e é uma autêntica lapa comigo, o que contraria a tese que só a amamentação dá o "verdadeiro vínculo"... Enfim, há para aí muita gente que só dá mama até tarde para alimentar o ego, porque chega a uma altura em que já nem há benefício para a criança.
Beijo

Marta Mourão disse...

Antes de ser mãe nunca tinha imaginado a pressão que existe sobre a amamentação.
E esta pressão vem especialmente/precisamente por parte de mulheres.
Apesar de achar que o leite materno é sempre melhor que o artificial, concordo contigo: que uma criança não é mais saudável só porque recebeu sempre leite materno. Conheço crianças muito saudáveis que foram alimentadas com leite artificial e o oposto tb.
Sinceramente acho que o mais importante é dar amor. E ter bom senso. E não julgar quem faz opções diferentes das nossas.

martabatista.com disse...

é isso tudo :D

para quando a sangria da pizzarte? :D

karu disse...

Estava a precisar de ler este post.
Ando desde há umas 2 semanas para cá a pensar em REDUZIR a frequência em que a Becas está "ligada à tomada".
Mas depois de ouvir quase um raspanete da pediatra - "E porque isto, e porque aquilo" - e de ter sentido pela 1ª vez que se calhar não estaria a fazer tudo o que podia por ela, foi uma lufada de ar fresco ter passado por aqui...
E sentir-me menos egoísta por dizer que ao fim de 5 meses estou cansada de estar "presa" em cada 3 horas. :)
Obrigada.

**SOFIA** disse...

por acaso a posição do nosso pedi é bastante aberta, é do género:

ele: quantas vezes ela mama?
eu: 3 mas tenho-lhe dado um beberão antes de dormir.
ele: já estás cansada mãe?
eu: já.
ele: qual o leite que lhe dás?
eu: nutribém 6 meses.
ele: ok, tá bom.

os médicos SÓ nos devem apoiar e alertar para erros, nunca pressionar-nos. não há cá lugar para julgamentos.

e é como diz a marta mourão, a maioria das pressões vêm muitas vezes de outras mulheres.
é um fenómeno interessante.

MarianaS disse...

Agora já sabes, podes enfrascar-te à grande para festejar!
Mas a sério, tb senti essa grande pressão. Continuo a pensar que a amamentação constitui um importante escudo para doenças e alergias (especialmente estas últimas), bem como prevenção do aumento de peso. Mas não suporto ver mães cujos filhos "só vêem mama", não como alimento, mas como algum tipo de compensação emocional. E isso acontece, sobretudo, a partir da fase em que o bebé já tem noção do que está a fazer.
No meu caso, como sabes, amamentei até aos 10 meses e acho q foi mais do que suficiente. Hoje, claro, a M. não tem a mais pálida reminiscência de q as maminhas que ela vê na mamã foram outrora fonte de alimento! só de pensar que muitos bebés da idade dela ainda mamam, fico quase estarrecida.
Boas comemorações!

Marta Mourão disse...

melhor ainda: a pediatra do meu filho não me quis dizer qual o leite que eu deveria comprar. Expliquei-lhe que queria ter leite em pó em casa para emergências, ao que ela me respondeu " se tiver uma emergência, telefone-me" (?????).
Do género, se eu ficasse debaixo de um camião, segundos antes de quinar, telefonava-lhe a perguntar "olhe, estou aqui mesmo quase a quinar, acha que já me pode dizer qual o leite que posso comprar?"...
Enfim, uma coisa é um profissional de saúde informar (que é o dever dele e é para isso que o pagamos), outra coisa é escolher por nós.

**SOFIA** disse...

bem marta esse episódio é fantástico!
nós por cá quando tivemos emergências recorrêmos ao 1º leite da nutribén e não demos satisfações a ninguém.
agora digo-te é que uma vez aberta, a lata deve ser consumida num prazo de 30 dias.

Marta Mourão disse...

É, não é? Eu achei por bem perguntar, aconselhar-me com a médica do meu filho. Supostamente é (também) para isso que ela serve.
Eu comprei o Aptamil Comfort. E sim, passado 1 mês deitei logo a lata fora.

Tica disse...

nunca me esqueço das donas de casa desesperadas no episódio em que a colega da lynete dava de mamar ao filho de 5 anos para não engordar, LOLOL e a lynete deu-lhe leite achocolatado para mostrar ao puto o que é bom! lindo

karu disse...

Marta, acho q se calhar andamos a freq os mesmos consultórios. Cá por casa tb passou a haver uma lata... :) Viva a revolução!

**SOFIA** disse...

karu: vais ver que vai correr bem, mas não fiques surpreendida se a tua bebé fizer uma birra se lhe apresentares um biberão. a leonor está tão habituada a mamar ao deitar e depois do banho que agora é impossível eu dar-lhe de comer que é berreiro na certa. daqui a uns dias isto passa-lhe, é o tempo dela entrar na rotina nova. é um pouco irritante/frustrante mas é preciso ter paciência e não há dúvida de que o paizão aqui, tem imenso talento nesses momentos críticos!

R. disse...

De facto, a nossa sociedade foi do oito ou oitenta! Numa tentativa de contrariar os mitos errados à volta da amamentação, colocou-se uma pressão exarcebada nas mães para que amamentem, descorando as outras pressões que as mães já sofrem. Falo por mim, tendo em conta que a minha profissão me obrigou a voltar ao trabalho um mês e três semanas depois do nascimento da Laura, só eu sei o que passei para poder continuar a amamentar, com bombas e afins, não me livrando de ter feito pelo menos duas mastites.

Além do mais, tendo em conta o nosso estado psicológico mais frágil, é sempre muito complicado sofrer estas pressões.

Não irei tão longe como a primeira mãe deste post que diz que algumas mães só amamentam até tarde para alimentar o ego - essa é uma posição tão extremista como é aquela que insinua que somos más mães se não conseguirmos amamentar.

Tudo deve ter conta, peso e medida. Se se pode amamentar, muito bem, se não, estamos bem na mesma! Mas reconheço que só agora assimilei este conceito. Até há bem pouco tempo, deixar de amamentar era para mim um falhanço como mãe, fruto das pressões exteriores que fui sofrendo.

De qualquer forma, sempre tive lata de emergência em casa, até porque era para mim um conforto saber que o plano B estava em acção para qualquer eventualidade.

Neste momento também já iniciei o desmame até porque sinto que preciso do meu tempo e do meu corpo de volta! E a partir do momento em que uma mulher se sente desta forma só faz mal à sua relação com o seu filho continuar a amamentação, sob pena de começarem a surgir sentimentos menos bons, esses sim verdadeiramente destabilizadores da relação mãe/filho!

miriam disse...

:D pronto. o que é preciso é que tu te sintas bem. eles habituam-se a tudo ;) e caramba, 7 meses é espectacular! o jaime continua a mamar 2 vezes por dia, mas sabes que o meu dia acaba por ser muito menos stressante que o teu =) portanto quando me sentir farta e pressionada finito, acaba-se logo.
eh pá, marta, gosto da parte da sangria da pizzarte :D :D :D

Ana disse...

Eu só dei de mamar à MAriana 1 mês. Ou era fraco, ou era pouco. Obviamente q gostaria de ter dado mais mas... não deu. E não me penitenciei por isso.
E sinceramente nunca foi mto prazeiroso p mim. Demorava imenso tempo, ela não ficava satisfeita, estava sempre inquieta.
Kisses e as melhoras