20 de maio de 2017

Oeste Lusitano nas Caldas da Rainha este fim-de-semana!



Este fim-de-semana está a decorrer o encontro anual do Oeste Lusitano com uma mostra muito gira e super completa daquilo que melhor o nosso oeste tem para oferecer! Mostras equestres, pecuária, o mercado da fruta e tudo o que de bom a cidade das Caldas tem. Também aproveitamos para percorrer um pouco do percurso bordaliano, que nós adoramos e que os miúdos acharam imensa piada.
Da nossa parte fica o agradecimento à organização do Oeste Lusitano pelo gentil convite e em especial à Mariana que nos guiou durante o dia, os miúdos AMARAM todos os instantes e isso para nós foi tudo!

Depois mostro-vos mais com fotografias mais jeitosas ;)

19 de maio de 2017

O desporto e a arte como extras na escola portuguesa





Vitória de Samotrácia - da Grécia Helénica - Louvre

Esta semana li três artigos que me deixaram a pensar no rumo que toma o nosso ensino, até podia ser uma coisa local, mas pelos vistos é mais global do que se poderia imaginar. Grosso modo, os artigos falam na secundarização do desporto e da arte nas rotinas diárias dos alunos, em como estas áreas são escassas e muitas (a maioria) vezes são opcionais ou mesmo praticadas fora da escola (por quem pode...). Julgo que para além da desculpa (esfarrapada) que assenta nos cortes orçamentais que todos conhecemos, acho que o problema não está só aí. Corta-se nas horas de desporto, de educação visual, de história da arte até no ensino superior, porque não são consideradas essenciais (socorro!) e tenho para mim que caminhamos a passos largos do abismo cultural.
As escolas, sob as ordens superiores que as gerem,  focam-se essencialmente naquilo que é imediato, naquilo que é factual e técnico e deixam a expressão corporal, a expressão artística para segundo plano ou mesmo para fora do plano.
Um dos textos que li fala um pouco sobre a questão com a qual muitos pais e até alunos se deparam, que é a encruzilhada de optar entre o estudo (técnico) e o estudo desportivo por exemplo. "Se começas a ter más notas sais do futebol, ballet, natação, o capeta!", quem nunca ouviu esta ameaça que ponha o dedo no ar - sortudos! Mas o que o texto reflete é: e se efetivamente a atividade "paralela" for afinal a convergente? aquela que faz o aluno inspirar-se em ser uma pessoa melhor, mais completa?
Outro dos textos fala na gritante e crescente quantidade de miúdos obesos e apontam críticas à quase inexistente expressão física oferecida nas escolas*. Seria esta disciplina, a Educação Física, de umas duas horas semanais, suficiente para colmatar ou até gerar interesse nos alunos? Eu contra mim falo que mal suportava essas duas horas, mas o facto é que essas duas horas semanais resumiam-se à prática desportiva com bola que eu detestava e nunca praticávamos ginástica que era aquilo que eu mais queria mas que também não tinha oportunidade de praticar fora da escola. Não há tempo para nada, programas científicos extensíssimos e provavelmente desajustados e depois corta-se naquilo que a uns parece ser secundário, ou seja, o desporto, a arte, a pesquisa, o debate...
Nunca me hei-de esquecer que um dia um professor nos disse que Estudar é Relacionar; e acho que hoje em dia relaciona-se pouco o estudo técnico-científico com o estudo do belo e do físico. Cabe-nos se calhar mais uma vez refletir sobre estas questões e também chamar a atenção dos nossos filhos para a beleza das coisas simples, mesmo que seja uma flor ou um portão de ferro ou um salto à vara, porque na escola, está visto que não irão chamá-los a atenção para coisas diminutas...


* quando digo "escolas", refiro-me naturalmente ao ensino público, que é o universo no qual nos mexemos e que mais me interessa.


Para quem quiser ler os tais artigos:

taxas de crianças obesas - http://observador.pt/2017/05/17/portugal-e-o-quinto-pais-com-mais-criancas-obesas-na-europa

sobre a desistência das atividades paralelas - http://www.huffingtonpost.co.uk/karen-laing/dont-make-your-kids-quit-_b_15856368.html

sobre o fim da disciplina de História da Arte - http://visao.sapo.pt/actualidade/sociedade/2017-05-19-Historia-de-Arte-em-risco-nos-cursos-de-arte

18 de maio de 2017

Programa Paraíso



Recentemente comecei a ver o programa Paraíso que passa na RTP2 às quintas-feiras (dá hoje!). O primeiro episódio que vi foi do "Jardim das Marias" e até agora foi sem dúvida aquele de que mais gostei por ser muito inspirador. Até foi a minha cunhada que me chamou a atenção para este programa e basicamente neste episódio conta-se a história do surgimento deste jardim comunitário que de forma "espontânea" substituiu uma espécie de lixeira entre dois prédios em Benfica (Lisboa). Achei o máximo a organização das vizinhas (Marias), em como dividiram o terreno e ao longo de 15 anos fizeram verdadeiro milagre com algo que ninguém queria.
Os restantes episódios que já tinham passado fui vendo na aplicação da RTP Play, o que dá sempre imenso jeito, e todos são inspiradores dentro da sua especificidade. Quanto a mim, que ando sempre de volta da minha horta da varanda fico sempre inspirada em comprar mais uma ou outra espécie e misturar flores com hortícolas e posso dizer-vos que a minha varanda nunca foi tão bonita e prazerosa de compor e usufruir.
Fica a sugestão para esta noite! Deixo-vos o programa do Jardim das Marias para se inspirarem e quem sabe até agir localmente!

Paraíso - Episódio 9 - RTP Play - RTP


e aqui todos os episódios desta série
https://www.rtp.pt/play/p3311/paraiso

15 de maio de 2017

só porque hoje é dia da família

Das fotografias que tirámos neste momento, esta não é a "versão final", não é a mais perfeitinha, mas é sem dúvida uma das que melhor ilustra a nossa pequena família.
beijo

Sabes que estás no bom caminho...

Quando espias o teu filho a surripiar um bombom (também ele às escondidas) e no fim ele põe a prata no caixote amarelo.

Ladrãozeco mas ecológico acima de tudo!
:)

14 de maio de 2017

um 13 de maio epicamente popular



Portugal esteve ao rubro neste 13 de maio.
Eu que não sou crente, nem praticante, nem adepta, nem festivaleira dei por mim a vibrar com estes três acontecimentos. Vi missas, vi relatos, vi todas as canções e as votações do festival da canção.
Nunca antes visto!

Nunca-Antes-Visto!


13 de maio de 2017

Sair e fotografar



Tenho andado muito cansada e sem vontade de escrever mas a verdade é que o ritmo dos nossos dias não para e quando não estamos a trabalhar ou a tratar de outras atividades, estamos de volta dos miúdos nos fins-de-semana. Mal acaba um fim-de-semana começam eles logo a perguntar o que fazemos no próximo. Não sendo dias de programas espetaculares, a verdade é que para as crianças, pouco basta para as contentar. Parque, bicicletas, caminhadas, praia, patins, cinema, brincar em casa dos amigos ou os amigos cá em casa, assim se passam os nossos dias de "pausa". Com crianças não há grandes pausas, pelo menos não aqui onde fazemos questão de andar na rua o máximo possível.

Durante março e abril tirei fotografias com a minha máquina antiga. Casualmente encontrei um rolo de 2004 ou 2006 (já não me recordo) que estava esquecido nas minhas coisas em casa dos meus pais.
Eu que sou fã de rolos fora do prazo de validade meti-o logo na máquina e aproveitei as saídas que demos nesses dois ou três fins-de-semana. Como o rolo já era muito antigo não tinha grandes esperanças, para ajudar à festa deixei a máquina na bagageira do carro uma tarde inteira e ao sol, pensei "é agora que não vai sair nada". Imaginei que as fotografias saíssem todas manchadas e com cores alteradas, mas quando fui buscar as fotografias foi com um espanto imenso que saíram todas as exposições perfeitas, como se o rolo fosse novo!

Para fazer este post fotografei as fotografias com o meu telemóvel e a qualidade ficou um pouco aquém da realidade, mas perdoem-me :)
Estas fotografias foram feitas no Parque Biológico de Gaia, na praia do Cabedelo de Viana do Castelo e no parque do costume. Por norma já é difícil fotografar as crianças com a vantagem quase infinita das máquinas digitais, mas sendo o processo analógico o grau de dificuldade aumenta consideravelmente e apesar dos meus esforços, as crianças conseguem muitas vezes sair da zona de foco o que me causa imensa tristeza para não dizer pior :D