20 de setembro de 2015

A noite em que lhe caíram os dentes da frente

Uma sexta-feira destas, foi aquela em que o Sócrates veio para casa (!), a minha mãe sugeriu que os garotos ficassem lá em casa a dormir. Eu, que estava um pouco reticente, acabei por acatar, até porque eles também insistiram e prometeram que se portavam bem... Lá vim eu para casa sozinha, bebi uma água e esperei que o pai chegasse. Quando ele chegou não viu ninguém, depois viu-me e perguntou o que se passava, que silêncio era aquele?

Nós que não temos por hábito ficar sem os miúdos achamos sempre muito estranha a sensação de estarmos de casa vazia. Há sempre por aqui tanta gritaria, correrias, ordens e contra-ordenações que nestas ocasiões ficamos assim como se tivéssemos uma bola não mão e não soubéssemos a quem passá-la. Confesso que estive mais de meia hora apenas a olhar pela janela a ver o trânsito, sem qualquer necessidade de fazer outra coisa qualquer, dar banhos, preparar sopas ou massa...

O tempo passou e ficámos sem vontade de fazer jantar, mas também não nos apeteceu saír para jantar fora, estávamos cansados e o jantei veio ter connosco e instalámo-nos a jantar na sala, no sofá, já passava bem das dez, basicamente estava ser perfeito, não fosse o telefone ter tocado uma vez.

- Olha, é só para dizer que os meninos estão a chorar porque têm saudades e tal e tal.
- Oh Leonor, quem foi que pediu para ficar aí? Para já com essa choradeira e dá o exemplo ao teu irmão.

Calaram-se e deitaram-se.

Passado um bom bocado, toca novamente o telefone.

- Olha, já estavam eles de luz apagada, quiseram dormir juntos, o Vasco deu uma cotovelada à Leonor e o dente da frente acabou por caír. O dente do lado está por um fio. Choram os dois e há sangue, não sei se isto vai correr bem.
- Oh Leonor, vá, já caiu o dente agora tens de deixar a avó tirar o outro porque está muito solto, não podes dormir assim.
- Foi o Vasco buaaaaaa O dente caíu buaaaa Não consigo... Não quero...

Passado mais um bocado liga novamente a minha mãe a dizer que a rapariga acabou por tirar o outro dente e que já dormiam os dois tranquilamente.

Enfim, uma pessoa fica sozinha quando o rei faz anos e é isto. Um desassossego, uma tragédia grega e no meio disto tudo é ver o Sócrates a chegar a casa com ar de "prisioneiro político" e depois a triste cena das pizzas e jornalistas atrasados mentais. Uma grande noite a recordar, portanto...


2 comentários:

Eu, Mãe disse...

Uma noite única!!

Susana Neves disse...

Memorável, essa queda dos primeiros dentes :)

Muito bom