22 de outubro de 2011

A nossa parte


Ando há dias a pensar neste post da Maria de Lurdes, e acho que posso destacar uma ou outra medida, que no meu dia-a-dia, tem como objectivo, ajudar Portugal sair da crise (isto à escala do cidadão comum, note-se!).

Embora o meu estilo de vida seja mais instável financeiramente, do que antes, eu por outro lado, sou mais optimista do que era antes. Em conversa com amigos, tento manter um pensamento de que há sempre oportunidades a explorar, tais como novos mercados e talentos.

De forma individual, tento gastar o meu dinheiro no meu bairro, junto dos comerciantes locais -  não só contribuo para os seus negócios, como alimento relações de confiança e amizade com as pessoas que me atendem.
O consumo de artigos nacionais e regionais é também uma prioridade. Recentemente conheci a história da Manteiga Marinhas, a qual centra-se na força de vontade da sua administradora em ir contra a "tirania" dos grandes distribuidores nacionais, ao quererem vender a sua excelente manteiga com margens ridículas. A sra. Administradora não se vergou, não ía degradar a qualidade do seu produto a favor de margens para as grandes marcas; seguiu o seu caminho sozinha e manteve a sua postura, sendo distribuída em redes mais pequenas tais como El Corte Inglés (supermercado). Ao ler a reportagem desta manteiga (3 de Julho do DN), interessei-me por este produto, e há cerca de 3 meses que não consumimos outra manteiga crua sem ser esta. É muito boa, vem embalada em dois papéis vegetais, salgada no ponto, perfeita em torradas ou pão fresco. Custa cerca de 50% a mais do que a manteiga mimosa, mas nós, que não comemos manteiga às pazadas, consideramos que serve perfeitamente. Eu fico contente, ajudo os Lacticínios das Marinhas (Esposende), saboreio com cuidado e moderação um excelente produto e ainda poluo muito menos visto que não há plásticos envolvidos na embalagem.
O que há a reter é que nem sempre aquilo que custa mais dinheiro, se revela efectivamente tão caro! Ajudar tem o seu preço, mas é um preço justo. E tu, já ajudaste hoje?

17 comentários:

Maria de Lurdes disse...

Muito bem, mais que nacional, pensr local!

No ECI também encontrei marcas portuguesas de produtos deliciosos, nomeadamente uns biscoitos de amêndoas, Amor de Biscoitos, se não me engano. Deliciosos!

Marta disse...

Não conhecia a Manteiga Marinhas.
O "problema" é mesmo chegarmos até esses produtos, conhece-los. Geralmente os nossos conhecimentos ficam-se pela meia dúzia que encontramos regularmente nas prateleiras. Mas é bom conhecer a história por detrás.
Também dou sempre preferência ao nacional e, se nos frescos já consigo consumir quase tudo português, noutras gamas de produtos não é nada fácil.

chadebergamota disse...

Gostei! Ja comprava as vezes, acho que agora passara a ser sempre.

Tug@ disse...

eu conheço a história. é uma manteiga que ganhou prémios internacionais de prestígio,e queria o todo poderoso pingo doce vender e deixar o fornecedor sem lucro nenhum, arriscou a Administradora perante a mega potência e tem vindo a ganhar, é assim mesmo! sabes que o pingo doce procura a maioria dos fornecedores fora de PT? e no meu bairro é mais caro que ir ao hiper...

Tica disse...

lá em cima é tica e não tuga (tinha aqui o PC mal configurado!)

Tica disse...

eu por ex, compro sabonetes de glicerina e em vez de palmolive, compro da marca foz (figueira da foz), são só 0,10€ mais caros!

Anónimo disse...

E porque não fazer pressão para que a loja/supermercado local tenha o queijo das Marinhas?

Ver aqui

http://www.lmarinhas.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=2&Itemid=40

sof* disse...

curiosamente já tentei com que a manteiga fosse comercializada aqui no supermercado do bairro, no entanto, visto que é um produto pouco conhecido, quem de direito ainda não foi na minha conversa.

o facto é que o ECI comercializa com as margens que a Administradora quer, mas é um supermercado que está sempre às moscas. o supermercado do bairro não tem arcaboiço para andar às moscas, embora eu ache que era uma questão de tempo e de sensibilização dos moradores! e a manteiga seria escoada que era um instante!

sof* disse...

quem diz a manteiga, diz o queijo, claro.

(vou tratar de digitalizar a reportagem para todos ficarem mais esclarecidos sobre estes excelentes produtos)

sbn disse...

(acho que nunca comentei antes... sou uma leitora recente :))

por acaso ainda no outro dia deparei-me com esta manteiga e achei curioso o facto de ser de Esposende, já que não conhecia... agora onde fui eu dar com ela?... nos escaparates de um hipermercado Continente! fica aqui o link para a loja online, onde tb é possível adquirir este produto: http://www.continente.pt/ProductDetailMain.aspx?productId=4089263&CategoryPath=10&CategoryName=%20&SubCategoryName=&PageIndex=1

sof* disse...

muito obrigada sbn, é sempre bom saber de mais sítios onde a podemos encontrar!

volta sempre ;)

sbn disse...

de nada e obrigada, respectivamente! ehehe :)

Catarina disse...

Cá por casa seguimos o mesmo principio e se todos fizessem um esforço ajudávamos muito o país... Quanto à manteiga das Marinhas também conheço e recomendo ::)! Bjs

Catarina disse...

Esqueci-me de mencionar que uma mercearia de bairro cá em Lisboa já vendeu e gostavam muito de continuar a vender, mas os Lacticínios das Marinhas têm uma política de vendas que implica mínimos nas encomendas, que para este tipo de comercio é complicado às vezes... então o senhor encomendava, mas muitas embalagens acabavam por estragar, porque como não têm conservantes também não duram tanto tempo. Com pena dele, e minha também :(, deixou de vender...

**SOFIA** disse...

deve ser por isso que também não compensa ao meu supermercado de bairro!!

Claudia Borralho disse...

Sofia, e que tal trazeres os teus blogs para o SAPO? Português e com pessoas atrás das máquinas. :)

sof* disse...

ohh cláudia, por acaso até podia, mas já andei para lá a investigar e fico sempre com a sensação que o blogspot e o wordpress me satisfazem mais.
quem sabe um dia!