27 de julho de 2009

A maternidade

Naturalmente que ainda não sei o que é "ser mãe", mas interrogo-me se algum dia saberei! Será que alguma mãe o sabe? Acredito que hajam vários factores comuns tal como a alegria, os ensinamentos contantes e um sofrimento que acompanha o resto da vida quer esteja tudo bem ou mal. Desde sempre que me vi à imagem da minha mãe, ou seja, uma dia vou ser mãe também. Agora estou prestes a sê-lo e olho para essa realidade como uma grande incógnita, uma escuridão. Que tipo de pessoa vou eu colocar neste mundo, que tipo de pessoa serei eu quando a conhecer? Tenho a certeza de que me irei preocupar demasiado, é da minha natureza, quem me conhece sabe disso... Faço votos para que a minha orientação seja sempre firme e que haja respeito mútuo. Olho para os miúdos de hoje e vejo coisas preocupantes, olho para a minha barriga e fico preocupada. Deste momento até ao parto certamente que já não faltará muito, 3 semanitas no máximo... Sinto os seus movimentos energicos, vira daqui, chuta dali, olho as roupas, imagino os banhos e rotinas que tal. É como dizem uns e outros "Tenha medo, tenha muito medo", eu tenho pois tenho, nunca me meti num projecto tão grande!!!
Acho que ser mãe depois dos 30 tem a desvantagem de nos por a pensar demasiado nas coisas; se eu tivesse sido mãe aos 24 (dizem que é a melhor idade) certamente que não estaria aqui com dissertações filosóficas e "ai, ai, ai...", era mais do género "olha logo se vê", mas também ser mãe pela primeira vez depois dos 30 já nos permitiu viver e lutar pela nossa vida pessoal sem ter outras preocupações. Olhando à minha volta, e salvo algumas excepções, a tendência é mesmo essa, a maternidade começa a ser severamente adiada para uma faixa etária mais elevada. Estamos mais velhas, mais cuidadosas, já temos mais noção das nossas actividades profissionais e se calhar podemos entender melhor os desafios da nova juventude que aí vem.
Digo eu...


a ilustrar este post está uma montagem das seguintes obras de Gustav Klimt (1862-1918)

- The Kiss
- Hope
- Mother and Child

6 comentários:

R. disse...

Ser mãe é isso mesmo e tu já és mãe - este post é prova disso!

ines disse...

Gostei desta tua reflexão! Efeitos da baixa médica... e da proximidade do nascimento da minha rica sobrinha!

Muito vonito...

**SOFIA** disse...

podem crer é o que dá ter muito tempo livre...

Tica disse...

No sábado à noite, fui jantar com amigas do meu curso de HST, e uma delas estava grávida, digo-te estava porque em pleno jantar começou com umas dores, e pronto, já estava em trabalho de parto, o Martim nasceu à meia-noite...
Não stresses, todas as MOM TO BE e MONS BEING passam por isso, passarão por isso muitas vezes e mesmo depois de os teus filhos já começarem a ter uma ruga ou cabelo branco, vão questionar que raio de educação deram! Relax, open mind e fundamental nos dias de hoje: a educação à antiga ainda me parece melhor que a de agora, há que saber mostrar quem manda e saber dizer não. Antes chorares tu que a Leonor!

martabatista.com disse...

Hmmmm também me pus com esses pensamentos perfeitamente normais... e é incrível como agora a olhar para a Helena me sinto capaz de tudo :)

(neste comment até tive capacidade de síntese...lol)

Ah... e Klimt é dos meus favoritos... :D

Heidi disse...

acho que vais saber o que é ser mãe quando olhares para a Leonor pela primeira vez! o típico amor à primeira vista! o preocupar-se com outra pessoa que não ela própria, colocá-la em primeiro lugar!

- pelo menos é o que oiço por aí...


tenho pleno voto de confiança em ti e no RP ;) correrá tudo lindamente, vais ver!