26 de novembro de 2012

2012 - o ano dos filhos da crise

Porque estas poderiam ter sido as nossas reflexões, deixo aqui este bocadinho:

"Prometem substituir a Playstation por brincadeiras em poças de água. Seguram-se na importante almofada que é a retaguarda familiar — muitas vezes chamada avós. Fazem contas à vida e reclamam da falta de apoio do Estado às famílias. Alguns ponderam emigrar. Muitos estão desempregados. Todos se sentem inseguros mas quase todos se dizem optimistas. Os pais de 2012 tiveram filhos que são também filhos da crise.
Ter um filho em 2012 é um acto de coragem, irresponsabilidade ou um sinal de optimismo?"

Para nós, termos tido o Vasco em 2012 foi um voto de confiança no futuro, a nossa missão como pais é preparar duas crianças para serem bons cidadãos, produtivos e que desde a infância saibam o que é a partilha e a realidade de se viver com menos, mas muito melhor.

(ainda posso acrescentar que no nosso círculo de amigos e familiares próximos nasceram em 2012, 11 bebés, o que a mim me parece lindamente. em 2013 já aguardamos mais uns rebentos anunciados!! Oba!!)

ler a reportagem do público aqui.

4 comentários:

Maggie disse...

para mim acho uma irresponsabilidade, claro depende tbem das posses de cada um; mas para mimter um filho agora seria um panico.

Felicidades

Maggie

Y. disse...

Ainda a semana passada estavamos a ter esta conversa entre amigos.
Entre o nosso círculo de amigos mais próximo a contar connosco nasceram15 bebes nos últimos 4 anos - estamos a falar de 10 no último ano. A minha -1ª filha - foi um "ups" (muito desejado à 5 anos mas não deixou de ser um ups) mas os restantes foram todos esperados. E curiosamente todos sob o mesmo argumento - já vivemos pior, no tempo dos nossos pais (eu tenho 32anos) vivia-se pior e isto não significa que vá desatar a ter filhos inconscientemente mas pensando que ambos temos emprego, bom ou mau temos. E sabendo que vamos ter de abdicar de TUDO o que são extras (comprar roupa, comer fora, viajar, etc) continuámos todos a a achar que ter um filho é bem melhor, e é! A ela nunca lhe faltou nada e todas estas pessoas vivem com um orçamento abaixo dos 2000€ mensais, posso dizer que no meu caso é abaixo dos 1500€ mensais. São opções. Sim metem medo mas só se vive uma vez e ser mãe é sem dúvida a melhor coisa que já vivi. Gostava mesmo era de ter mais um ou dois mas isso já são outras conversas.

Anónimo disse...

Eu tive este ano um terceiro filho. Sempre quis ter 3 e francamente se começar a pensar em reunir todos os condicionantes (idade, financeiros, profissionais) nunca há altura ideal. É claro que nenhum de nós os dois está numa situação precária mas a verdade é que a partir de janeiro vou ficar a ganhar o que ganhava há 8 anos quando começei o atual trabalho... No nosso caso a mudança passa por reduzir extras, que nos davam prazer é certo, mas sem os quais vivemos lindamente e criar uma rede de apoio com os amigos para algumas coisas com roupas, artigos de puericultura e até babysittings e férias :) Se calhar não levamos os miúdos todos à disney como queriamos mas daqui a uns anos vão ter-se uns aos outros e não há nada melhor que ter irmãos.
Mafalda

Tanita disse...

Espero que seja um sinal de esperança, porque no meu circulo de familiares e amigos nasceram uns quantos bebés em 2012 (2010 é que foram 11) e em 2013 já estão aí mais alguns para chegar, inclusivé o meu sobrinho. Pois que a situação não está nada fácil, mas com esforço tudo se consegue, espero, pois os meus cunhados são ambos actores e ambos sem emprego neste momento.