23 de novembro de 2012

A Eurodeputada e a sua riqueza


Lembram-se deste post? Ah pois é, passados dois anos a bebé Vittória continua a acompanhar a sua mamã ao escritório, que não é nada mais, nada menos do que o Parlamento Europeu. Eu cá apoio esta prática a 100%, não quer dizer que não haja infantários, não quer dizer que não haja dinheiro para os matricular, quer apenas dizer que os filhos são parte integrante dos pais trabalhadores. Nós por cá também já levámos os nossos filhos bebés a reuniões de trabalho, oh yeah e nem por isso somos menos profissionais. Muito bem!!!





8 comentários:

Jardim de Algodão Doce disse...

Também acho muito bem! Mas tive uma situação caricata há um mês em que fui chamada ao centro de emprego. O meu bebé está comigo em casa e não tinha onde o deixar nesse dia, levei-o comigo. Fui de lá corrida por uma mulher e inclusive na sala ouve quem começasse às bocas. Por isso é que Portugal não evolui e as mulheres são horriveis umas para as outras! Não apresentei reclamação, mas deveria porque me senti revoltada! Fiz mal.

ML-As Maravilhas da Maternidade disse...

A posição dela é emblemática e demonstra um ponto de vista muito forte e convicto, mas...
E se todas as eurodeputadas resolvessem levar os seus filhos de três anos para o Parlamento Europeu?

Não sei se ela fará isto sempre, em todas as sessões ou se é apenas de vez em quando. Ou se o faz porque faz questão de não desgrudar da filha em todos os minutos ou se foi uma emergência, ou até um protesto, caso o Parlamento não disponibilize creche aos deputados e funcionários, por exemplo.

Quando a filhota dela era bebé, compreendia bem e aplaudia, mas na verdade, agora não sei exactamente porque é que ela continua levar a filha para o seu local de trabalho...

administrador disse...

nao mostra nenhuma falta de profissionalismo certamente, mas nao me digam que ela está 100% focada nos seus afazeres do momento (claro que se a filha estiver no infantário ela também pode estar aluada a pensar na miúda).

Eu confesso que nao acho isto fantástico.

Como a ML diz, e se toda a gente fizesse o mesmo?
Se ela o faz de quando em vez, por questões de emergência prática, nao me aprece errado, agora sempre, todos os dias? nao concordo!

ML-As Maravilhas da Maternidade disse...

Ok ok, pelo que li na Wikipedia (vale o que vale!) é para marcar as suas posições quanto à equidade no trabalho e oportunidades para as mulheres e igualdade de géneros.

É simbólico, chama a atenção para as suas causas, assim acho bem, foi bem sucedida, funcionou comigo!

http://en.wikipedia.org/wiki/Licia_Ronzulli

Marta disse...

Eu acho que, como excepção e como último recurso, está muito bem sim senhora. Mas sempre? Seria impossível ela trabalhar. Não estaria a ser profissional nesse sentido.
Só quem nunca tentou trabalhar com uma criança por perto é que não percebe. Não dá mesmo. A produtividade é reduzida a menos de metade seguramente.
Mas, ter essa opção, em caso de urgência, acho que faz todo o sentido. E não devia ser mal visto. São nossos filhos, não os podemos "largar" só porque sim, não podemos e muitas vezes não temos como.

vidasdanossavida disse...

A primeira foto que vi era uma ternura com ela com a bebé no sling com poucos meses de vida!

MarianaS disse...

Pois eu também nao acho assim tão boa ideia... Na minha área profissional, alias, seria mesmo ridículo! Partilho da perspectiva da ML. Ok, se é um statement, quanto a um determinado estado de coisas, tudo bem, agora se é por "militância", nao acharia bem. Tomar conta de uma crianca de dois anos é incompatível com um trabalho minimamente concentrado, pelo menos, numa base regular. Para a criança, tb nao é grande coisa, falando eu por experiência própria... Quando já temos alguma idade, se inicialmente pode ser uma excitação ir ao trabalho dos pais, rapidamente se transforma numa seca; a espera parece interminável, cansamo-nos das actividades que trazíamos para nos entretermos e, enfim, os pais também nao rendem como deviam.
Cada macaco no seu galho! :)

Aline r disse...

Nas salas de reuniões de professores, é frequente haver lá crianças (caso contrário, ficariam nos infantários até às 8h00 e por vezes até às 9h00).