11 de janeiro de 2012

a mãe invisível


É um facto que as idas ao fotógrafo para registar os bebés e crianças são um clássico, eu também não me safei no meu tempo, quanto mais na altura em que tirar um retrato era coisa do mais fino e extraordinário que se poderia fazer. Vai daí que de modo a evitar um ataque de nervos ao sr. fotógrafo do início do séc.XX, com fotografias tremidas e choros intermináveis, houve alguns iluminados que acharam que a melhor solução seria "incorporar" a mãe ou pai ou ama da criancinha na fotografia, desde que devidamente camuflada. Convenhamos que houve alguns fotógrafos mais inspirados do que outros, mas de um modo geral parece-me uma abordagem um bocadinho sinistra...



Se bem que para este último exemplo a coisa parece fazer algum sentido... :)
Vejam mais situações aqui.

12 comentários:

isabel disse...

Mas que coisa mais estranha!!! Não conhecia... que medo... :)

EIMV disse...

Fica horrível!
Teria,no entanto, dado jeito nas fotos que eu quis tirar à minha filha, no fotografo, quando ela fez um ano. Vai daí não sei, se calhar ainda agravava o berreiro!...

Marta disse...

OMG!
Lembram-se de cada uma.
Fica mesmo sinistro, parecem um fantasma nas fotos, que horror!

gigi disse...

Não fazia ideia... Acho um susto!!
Medo!!

Beijocas*

Maria de Lurdes disse...

Wooow creepy! Nunca tinha ouvido falar numa coisa destas, realmente é sinistro... Mas bem camuflado resulta!

Tica disse...

Se pensares que nessa época fotografavam os cadáveres para documentar as famílias...

Ana disse...

Se uma criança morresse e ainda não tivesse ido ao fotografo, ia assim mesmo, morta... Post-mortem photography

eme de mãe disse...

Coisa estranha...

Aline Brito Paiva disse...

Tétrico, diria mesmo :(
Horroroso.

Su disse...

Põe sinistro nisso... até me arrepiei.

Ainda bem que os tempos mudaram.

cristina says: disse...

arrepioooos :/

andrea disse...

eu até pensei que fosse nos casos de mãe falecida ou desconhecida... não para evitar birras!!! é esquisito mas fartei-me de rir!